Hesperian Health Guides

A luta pelos direitos e pela justiça

Neste capítulo:

Até hoje, o local da fuga de gás tóxico nunca foi limpo e a fábrica abandonada permanece como uma lembrança mortífera do desastre. Montes de produtos tóxicos ainda estão ali, a céu aberto, e a água do subsolo por baixo da cidade ainda está envenenada. Muitas pessoas nunca receberam o tratamento médico de que precisavam para os seus problemas de saúde. Por estas razões, as pessoas de Bhopal não pensam no desastre como uma coisa que aconteceu apenas no passado. Elas veem-no como um desastre contínuo que têm de encarar todos os dias.

A fábrica de pesticidas pertencia a uma empresa multinacional (uma grande empresa que trabalha em muitos países) chamada Union Carbide. Os sobreviventes sabiam que não estava certo que as suas vidas tivessem sido tão prejudicadas pelo desastre. As pessoas afectadas não tinham dinheiro para tratarem as suas doenças ou para cuidarem dos seus familiares que já não conseguiam trabalhar. Eles queriam que a empresa assumisse a responsabilidade. Mas a Union Carbide disse que o desastre tinha sido causado por um trabalhador na fábrica e recusou-se a assumir qualquer responsabilidade mesmo sabendo que tinha sido o seu desenho da fábrica a causa do desastre.

Tal como outras pessoas que lutam pelos direitos e pela justiça, as pessoas afectadas pelo desastre de Bhopal sabiam que a sua pobreza não piorava apenas os seus problemas — ela era, em grande parte e em primeiro lugar, a razão de o desastre ter acontecido.

People in a city sit and speak by a fence on which are signs reading,"Justice for Bhopal: Bhopal, never again; and No more chemical disasters," as cameramen film them.

Por que é que o desastre aconteceu?

O desastre de Bhopal foi, e é, um acontecimento horrível que nunca deveria ter acontecido. Mas, por mais horrível que seja, não é surpreendente. A actividade “Mas porquê…?” pode ajudar a compreender as causas profundas do desastre de Bhopal.

A small group of people sit and discuss.
Por que é que tantas pessoas foram prejudicadas pelo desastre de Bhopal?
Porque a fábrica era numa zona pobre da cidade que tinha muitas casas
Mas por que é que a fábrica era aí?
Porque a empresa e o governo não estavam preocupados com a segurança das pessoas pobres.

Em todo o mundo, as empresas constroem as suas fábricas poluentes, lixeiras tóxicas e outros projectos industriais perigosos entre as pessoas que são mais oprimidas pela pobreza e por um estatuto baixo. Desta maneira, os países pobres e as comunidades transformam-se em lixeiras para as indústrias, produtos e poluição tóxica. É por isso que proteger a saúde ambiental não é apenas uma questão de cada um de nós mudar os produtos que usa e a forma como os deitamos fora, mas é uma questão de todos nós desafiarmos a maneira como os poderosos abusam do seu poder e como os mais vulneráveis de entre nós têm de sofrer danos à sua saúde.

A small group of people sit and discuss.
Mas por que é que uma empresa americana estava a fazer pesticidas na Índia?
Porque aí podiam ter mais lucros.
Mas por que é que aí podem ter mais lucros?
Porque podem pagar menos aos trabalhadores e ignorar a saúde e a segurança dos trabalhadores e das pessoas à sua volta.
Mas por que é que o governo americano e indiano os deixam escapar sem castigo?

Campanha internacional a favor da justiça em Bhopal

A man speaks as he sits on the side of a bed where a sick woman reclines; a sickly child sits next to him.
Nunca mais!

Os sobreviventes da fuga de gás de Bhopal trabalharam juntos para chamar a atenção para o seu sofrimento e para obrigarem a empresa a assumir a responsabilidade. Organizaram greves de fome e recusaram-se a comer até serem ouvidos. Marcharam sem comida ou água durante 750 quilómetros até à capital estadual. Além disso, marcharam até à capital nacional para exigir justiça. As mulheres montaram uma tenda em frente do escritório do principal ministro de estado. Acamparam ali durante 3 meses. Todos os dias, de manhã à noite, gritaram as suas exigências.

Vários anos depois do desastre, um tribunal ordenou à Union Carbide que pagasse $470 milhões de dólares ao governo indiano. Foi uma vitória importante, mas não foi suficiente. A maior parte do dinheiro nunca chegou aos sobreviventes.

Pouco tempo depois, a Union Carbide foi vendida a outra empresa multinacional chamada Dow Chemical. A Dow Chemical também se recusou a assumir a responsabilidade ou a ajudar as pessoas afectadas a obterem tratamento. Nem o governo da Índia, onde o desastre aconteceu, nem o governo dos Estados Unidos, onde eram as sedes das duas empresas, estavam dispostos a levar aos tribunais as pessoas de topo das empresas responsáveis pelo desastre.

Os sobreviventes organizaram uma campanha internacional para continuarem a sua luta por justiça. Conseguiram apoio entre estudantes, grupos ambientalistas e organizações de direitos humanos. Com o apoio de pessoas de todo o mundo, os sobreviventes de Bhopal apresentaram as suas exigências de justiça na sede da Union Carbide e da Dow Chemical Company e aos Governos Americano e Indiano. Os sobreviventes inspiraram outros a fazerem greves de fome e a tomarem medidas para chamar a atenção para o seu sofrimento. E, através de tudo isso, apoiaram as suas famílias, organizaram os seus próprios cuidados de saúde (ver página 345), apoiaram vítimas de outros desastres tóxicos e sobreviveram.

O grito da campanha por justiça em Bhopal é “Bhopal nunca mais!” O seu objectivo é impedir desastres ambientais semelhantes no futuro. Ao tornar a sua luta numa luta internacional, eles deram importantes lições às pessoas de todo o mundo sobre os efeitos a longo prazo da exposição aos produtos tóxicos. Os sobreviventes de Bhopal mostraram que os acidentes industriais podem acontecer em qualquer momento e que os pobres são sempre os mais afectados. A sua luta pelos direitos e pela justiça tornou-se num modelo para os organizadores comunitários em todo o lado.



Esta página foi actualizada: 17 abr. 2024