Hesperian Health Guides

As florestas e os modos de vida

Neste capítulo:

As florestas são uma fonte importante de formas de ganhar a vida. Alguns governos e organizações internacionais dizem que o maior prejuízo às florestas é causado pelas pessoas pobres que cortam árvores para praticar agricultura ou para ganhar a sua vida de outras formas. Mas quando as pessoas não têm suficientes alimentos, rendimentos para outras necessidades básicas, a necessidade de sobreviver torna-se mais importante do que a necessidade de preservar as florestas. Às vezes, as pessoas não têm outra escolha senão cortarem árvores, seja para limparem novos terrenos para a agricultura, seja para apanharem lenha e madeira. A culpa da destruição da floresta raramente é colocada nas indústrias que retiram enormes quantidades de madeira ou deitam abaixo florestas para exploração mineira, exploração de petróleo ou plantações industriais.

Quando as necessidades diárias das pessoas são satisfeitas, elas são mais capazes de pensar no futuro, incluindo pensar na forma de cuidarem do ambiente. As pessoas que vivem nas florestas e cuidam delas sabem que há muitas formas de ganhar a vida com a floresta sem causar muitos danos. Pessoas que vivem nas florestas e cuidam delas sabem que há muitas maneiras de ganhar a vida da floresta sem causar muito dano.

In front of a home, a family dressed in rags stands in a deforested area where new seedlings have been planted.
A desflorestação causa pobreza e a pobreza causa mais desflorestação.

Praticar agricultura na floresta

Em muitos lugares, os camponeses limpam alguns espaços da floresta para plantarem culturas, deixando a floresta que fica à volta dos seus campos sem ser tocada. Eles cultivam esse espaço até que as ervas daninhas comecem a competir com as suas culturas. Então, limpam um novo pedaço de terra e a floresta volta a crescer no terreno antigo e restaura o solo. Isto é por vezes chamado de agricultura de “corte e queimada”.

A agricultura de corte e queimada é praticada há milhares de anos. Mas, à medida que as populações crescem e se estabelecem em novas áreas, a quantidade de floresta disponível para agricultura é reduzida. Nem há terra suficiente para deixar que os pedaços de terra voltem a ser repostos pela floresta. Este tipo de agricultura tornou-se insustentável, tanto para os camponeses como para a floresta. As comunidades que praticam agricultura em áreas de floresta podem obter melhores resultados e permanecer na sua terra por mais tempo se usarem métodos agrícolas sustentáveis.

Proteger as florestas e os modos de vida

Nas florestas do Andra Pradesh, na Índia, os aldeãos limpam algumas parcelas de terreno na floresta para produzirem as suas culturas. Mas nos meses em que há pouca comida proveniente dos seus terrenos agrícolas, a vida de muitas pessoas depende daquilo que é produzido na floresta. Alguns aldeãos reúnem-se e vendem madeira para combustível, enquanto outros usam madeira para fazerem ferramentas para vender. A forma como os aldeãos são autorizados a usar os recursos da floresta é controlada por grupos chamados “comités comunitários florestais”.

Quando os comités florestais viram que algumas áreas estavam a ficar estragadas por causa do uso excessivo, criaram novas regras para reduzir a quantidade de madeira que podia ser tirada. As regras eram muito restritas e as vidas de muitas pessoas ficaram ameaçadas. As pessoas que sobreviviam vendendo madeira para combustível e fazendo ferramentas deixaram de ter esta fonte de rendimento. Durante os meses em que a comida faltou, estas famílias sofreram.

EHB Ch10 Page 182-1.png

Os membros dos comités florestais vinham destas mesmas comunidades, por isso, eles queriam encontrar uma solução que garantisse que nenhum membro da comunidade passasse fome, ao mesmo tempo que se protegia a floresta. Depois de muitos encontros, foi tomada uma decisão. Em vez de mudar as novas regras da floresta, os comités florestais iriam melhorar a terra agrícola, construindo barreiras de contorno dos campos para reduzir o movimento da água e prevenir a erosão. Isto iria tornar o solo mais rico e também iria disponibilizar mais água para as culturas, de modo que as quintas seriam mais produtivas e haveria mais alimentos para todos sem pôr a floresta em perigo.


Ecoturismo

From a footbridge over a lush ravine, a guide points out sights to 2 tourists.
O ecoturismo cuidadosamente gerido pode proteger as florestas.

O ecoturismo é uma forma de ganhar dinheiro com visitantes que vêm ver a beleza natural de uma área ou aprender sobre as plantas e os animais que aí vivem. Alguns projectos de ecoturismo trazem pessoas apenas para gozarem da beleza natural. Outros convidam -nas a viver com as pessoas na comunidade, para aprenderem como proteger o ambiente. Outros projectos ainda convidam os turistas a trabalharem activamente em projectos para proteger o ambiente.

O ecoturismo é uma boa maneira de as comunidades florestais ganharem dinheiro. Mas começar a gerir um projecto pode ser caro e necessita de um planeamento cuidado. Os turistas requerem alimentos, conforto, alojamento, guias e muita paciência para lidar com as diferenças culturais. Eles podem ter acidentes ou precisar de cuidados de saúde. Conseguir que os turistas venham visitar requer fazer publicidade em revistas ou na internet, imprimir brochuras e organizar outras formas de publicidade.

Os projectos de ecoturismo nem sempre são sustentáveis. Eles devem ser geridos com cuidado, para que o dinheiro que trazem beneficie a comunidade e não apenas os agentes ou negócios exteriores, ou um grupo pequeno de famílias locais. Muitas vezes, os projectos de ecoturismo bem -sucedidos limitam o número de visitantes, para causar menos pressão sobre a comunidade e menos estragos no ambiente.

Outros produtos da floresta para além da madeira

Os produtos da floresta, para além da madeira, são tudo o que pode ser retirado e vendido sem prejudicar a floresta. Isto inclui nozes, frutos, plantas medicinais e fibras. As comunidades que têm sucesso a vender produtos da floresta, para além da madeira, consideraram importante seguir estas directivas:

  • Estabelecer regras claras sobre quem pode apanhar e vender os produtos e como é que se recolhe os produtos de uma forma sustentável. Assim que um produto se torna muito procurado, há o perigo de ele ser apanhado em excesso. Apanhe apenas a quantidade suficiente para que o produto possa continuar a crescer e a reproduzir-se.
  • Encontrar ou criar um mercado para o produto. Não faz nenhum sentido recolher produtos se eles não vão ser vendidos ou usados.
Apanhar medicamentos na floresta
2 women and a man gather plants in a forest.

Perto da Baía de Benguela, na Índia, muitas pessoas consultam médicos tradicionais quando estão doentes. Estes médicos fazem medicamentos a partir de plantas apanhadas na floresta. Um dia, as pessoas de uma organização não-governamental (ONG) chegaram a uma aldeia para ajudarem os aldeãos a apanharem estas plantas medicinais e as venderem na cidade. Ao usarem a sua organização para venderem estes medicamentos, eles ajudaram a comunidade a ganhar dinheiro com a floresta, sem deitarem abaixo as árvores.

Os aldeãos estavam contentes de terem uma nova forma de ganhar dinheiro e muitas pessoas começaram a recolher e a vender plantas medicinais. Mas eles não perguntaram aos médicos tradicionais como é que se apanhavam as plantas sem as estragar e não tiveram cuidado com a quantidade que apanhavam.

Excitados com a ideia de ganharem dinheiro, alguns aldeãos estragavam as árvores de onde retiravam as plantas. Em vez de cavarem à volta de uma árvore para apanharem algumas raízes, algumas pessoas deitavam abaixo toda a árvore. Em pouco tempo, as plantas medicinais quase que tinham desaparecido da floresta. Isto deixou os médicos tradicionais sem plantas para usarem nos tratamentos. Por isso, os aldeãos tinham de gastar muito dinheiro a comprarem medicamentos na farmácia quando estavam doentes. No final, a saúde das pessoas e da floresta sofreram devido à forma como foi feita a recolha de plantas não pensando no futuro


Esta página foi actualizada: 23 fev. 2024