Hesperian Health Guides

Cancros comuns

Cada tipo de cancro é diferente, com diferentes causas, sinais e opções de tratamento. Alguns tipos de cancro são fáceis de prevenir e tratar, e outros são fatais. Mesmo em lugares onde as pessoas vivem na pobreza, muitos tipos de cancro podem e devem ser tratados.

um homem tossindo.

Cancro do pulmão

Sinais
  • Tosse
  • Tosse com sangue
  • Dor no peito, geralmente de um lado
  • Dificuldade em respirar


Quando alguém tem esses sinais, o cancro do pulmão está geralmente muito avançado.

O cancro do pulmão é o mais comum e também um dos mais preveníveis. A causa é geralmente fumar. Não importa quanto tempo a pessoa fumou, parar de fumar a qualquer momento diminui as probabilidades de contrair o cancro do pulmão. O tabagismo também causa outros tipos de cancro. Uma pessoa que mora numa casa com alguém que fuma ou que trabalha onde as pessoas fumam também será prejudicada, mesmo que ela não fume.

smoke comes out of big truck

Outros tipos de fumo também levam ao cancro do pulmão. Por exemplo, aspiração de gases de escape dos camiões a diesel, fumaça de fábricas e fogo da cozinha. Quem fuma e também está exposto ao fumo no seu local de trabalho ou em casa, as probabilidades de ter um cancro do pulmão são maiores.

O cancro do pulmão é geralmente mortal. A melhor maneira de o prevenir é parar de fumar. Para ajuda, veja Drogas, álcool e tabaco (em desenvolvimento).

Cancros do cólon e recto

uma pessoa de costas com o " cólon ", "recto" e "ânus" ilustrados.
cólon
recto
ânus

É mais provável alguém ter estes dois tipos de cancro do sistema digestivo inferior, também chamado de intestino grosso, se outros membros próximos da família os tiveram. Eles também são mais comuns em pessoas que já têm outro tipo de doença intestinal, como úlceras no intestino (colite ulcerativa). Algumas clínicas rastreiam esses cancros com base numa amostra das fezes da pessoa e testando-a quanto à presença de vestígios de sangue (com um teste de sangue oculto nas fezes ou teste imunoquímico fecal - FIT).

Estes cancros ocorrem menos em homens e mulheres que comem, todos os dias, vegetais, fruta fresca, cereais integrais e outros alimentos com fibra. Beber menos álcool e não fumar também protege contra esses tipos de cancro.

Sinais
  • Fezes pretas ou sanguinolentas
  • Dor de barriga (abdominal)
  • Uma mudança nas fezes: aumento ou diminuição da frequência, ou diarreia ou obstipação.


A anemia também pode ser um sinal. A sensação de fraqueza e perda de peso são sinais se o cancro estiver mais avançado.

Tratamento

Se identificados precocemente, esses cancros podem ser tratados com quimioterapia e/ou removidos com cirurgia. Dependendo de onde e quanto do intestino é removido, a cirurgia também pode incluir uma colostomia temporária ou permanente. Na colostomia, o cirurgião junta uma abertura numa parte saudável do intestino até uma abertura no abdómen para que as fezes possam contornar a parte onde o cancro foi removido e ir directamente para um recipiente, geralmente uma bolsa fora do corpo. Como as técnicas de tratamento e cirurgia para o cancro do cólon e recto melhoraram, menos colostomias são necessárias.

Cancro do colo do útero

Quando o cancro afecta o corpo do útero, ele é chamado de cancro uterino. Quando o cancro afecta o colo do útero, é chamado de cancro do colo do útero. O cancro do colo do útero é um cancro muito comum, de crescimento lento, que é tratável se for identificado precocemente. E com bons programas de saúde, pode ser prevenido por completo.

O HPV, um vírus comum que se transmite através do contacto sexual (ver Infecções e problemas genitais – em desenvolvimento), é a principal causa do cancro do colo do útero. O HPV é tão comum que a maioria dos homens e mulheres adquirem eventualmente. Apenas alguns tipos de HPV causam o cancro.

os órgãos reprodutivos duma mulher e uma seta apontando para o "colo do útero".
Colo do útero

A vacina contra o HPV previne a maioria dos tipos de vírus causadores de cancro (existem muitos tipos). Um programa de vacinação para todas as meninas e meninos na sua comunidade pode reduzir bastante o número de mulheres que contrairão o cancro do colo do útero, mas isso não o eliminará completamente. O rastreio para que possa ser identificado e tratado precocemente é mais importante. Tanto o rastreio como o tratamento do cancro do colo do útero são fáceis de fazer e muito bem-sucedidos.

O cancro do colo do útero é comum em mulheres que têm HIV, porque o seu sistema imunológico não consegue combater bem as infecções. É muito importante que as mulheres com HIV façam rastreios regulares de cancro do colo do útero – uma vez por ano, se possível.

Sinais

Inicialmente, o cancro do colo do útero não apresenta sinais perceptíveis. Mais tarde, pode haver sangramento da vagina durante o sexo ou a qualquer momento fora da menstruação. Se o cancro não for tratado, pode causar dor – primeiro na região lombar ou pélvis e, mais tarde, na parte de trás das pernas.

Testando

O cancro do colo do útero raramente é fatal quando é diagnosticado precocemente. Os programas de rastreio que testam regularmente todas as mulheres são fáceis de implementar, mesmo em centros de saúde muito pequenos. Cada um dos 3 testes diferentes para o cancro do colo do útero tem os seus benefícios:

um médico fazendo um exame pélvico a uma mulher.
Os testes para o cancro do colo do útero podem ser um pouco desconfortáveis, mas não são dolorosos.
  • Inspecção visual ou teste do vinagre/ácido acético, (olhando para o colo do útero depois de pintá-lo com vinagre ou iodeto de Lugol). Isto é de custo muito baixo, não requer um laboratório e é fácil aprender como fazer. Às vezes, as células saudáveis parecem estar anormais, portanto, se isso acontecer, outros testes serão usados para garantir o resultado. Para aprender a fazer a inspecção visual, ver A Book for Midwives, disponível na Hesperian.
  • O teste de Papanicolau ou Pap teste. Os Pap testes são muito confiáveis, mas podem não detectar todos os casos. Portanto, eles devem ser repetidos a cada 3 anos ou mais.
  • O teste do HPV. Estes testam os vírus HPV que causam o cancro do colo do útero. Pode ser feito isoladamente, feito junto com o teste de Papanicolau, ou depois que o Pap teste mostra que pode haver cancro.
Tratamento

O cancro do colo do útero diagnosticado precocemente encontra-se entre os mais bem tratados. Alguns tratamentos são tão fáceis e baratos que podem ser feitos num Centro de Saúde por um profissional de saúde treinado, logo após o exame que identificou o cancro.

  • A crioterapia congela parte do colo do útero usando dióxido de carbono ou gás de óxido nitroso. O congelamento destrói as células anormais e impede que elas se transformem em cancro. A crioterapia não é dolorosa e é muito segura. A crioterapia é barata e é fácil para os profissionais de saúde e as parteiras aprenderem como fazer. Ver A Book for Midwives, disponível na Hesperian.
  • A conização com excisão electrocirúrgica por alça (LEEP) usa uma alça metálica com electricidade passando por ele para remover a área do colo do útero que tem células anormais. A LEEP é necessária se a área de células anormais no colo do útero for grande ou se estender para dentro da abertura do colo do útero.
  • A conização a frio usa um bisturi para remover uma grande parte do colo do útero se a área do pré-cancro for muito grande. Isso é feito por um especialista. A conização a frio pode tornar mais provável que uma mulher sofra um aborto espontâneo ou outras complicações durante as gravidezes futuras.


Se o cancro estiver avançado, pode ser necessário remover o útero através de cirurgia (histerectomia). Isso torna a gravidez impossível, mas faz com que seja muito provável sobreviver ao cancro.

Cancro da bexiga

Existem 3 causas comuns de cancro da bexiga:

  • Fumar
  • A exposição a produtos químicos tóxicos, geralmente em trabalho industrial (em fábricas e minas). Por exemplo, o cancro da bexiga é mais comum em trabalhadores que fabricam ou trabalham com metais, tintas, borracha, couro, tecidos, carpetes, cimento e plásticos. Também é mais comum em mineiros, pessoas que trabalham com electricidade e outros que trabalham com produtos químicos e seus gases.
  • A shistosomíase (ver Outras doenças graves, em desenvolvimento). Em lugares onde esta doença é generalizada, é a causa mais comum.
Sinais
  • Sangue na urina.
  • Ter que urinar com muita urgência ou muitas vezes.
  • Dor num dos lados da parte inferior das costas, logo acima do meio do osso pélvico, ou no períneo (entre o ânus e a vagina ou testículos).
  • Urinar pode ser difícil, mas a maioria das pessoas com cancro da bexiga não sente dor ao urinar.


Estes também são os sinais comuns de outros problemas da bexiga. Ver Dificuldades ao urinar (em desenvolvimento).

Tratamento

O cancro da bexiga é geralmente tratado com cirurgia para remover o tumor ou a parte da bexiga que tem cancro. A quimioterapia também pode ser usada para reduzir o tumor antes da cirurgia ou para evitar que o cancro volte após a cirurgia. Se o tumor for muito grande, a bexiga inteira pode ser removida por cirurgia.

O cancro da bexiga pode voltar. Por isso, os exames regulares de seguimento são necessários após o tratamento para garantir que o cancro não tenha voltado.

Cancro do fígado

O cancro do fígado é particularmente grave e é difícil de tratar. É mais comum em homens.

Indicação do  fígado num homem.
fígado
Sinais

Geralmente não há sinais. No entanto, quase todas as pessoas com cancro do fígado tiveram hepatite ou cirrose (cicatrizes no fígado devido ao alcoolismo ou doença), então a pessoa com cancro do fígado pode ter sinais de doença hepática:

  • Icterícia (cor amarela da pele ou olhos)
  • Dor na parte superior direita do abdómen
  • Barriga inchada
  • Sensação de cansaço o tempo todo (fadiga)
Prevenção

Este cancro é difícil de tratar, mas a vacina contra a hepatite B ajuda a prevenir muitos casos. Ver informações sobre a hepatite.

Para prevenir a cirrose causada pelo álcool, evite ingerir, por dia, mais do que um copo ou dois de bebidas que contenham álcool. Se já tiver a doença hepática, como a hepatite, poderá reduzir a probabilidade de cancro do fígado se nunca mais beber álcool.

Cancro da mama

O cancro da mama é um dos cancros mais comuns em mulheres, embora os homens também possam ter cancro da mama. Quando diagnosticado precocemente, o cancro da mama pode ser tratado de forma muito eficaz. O tratamento pode incluir cirurgia, radioterapia, quimioterapia, terapia hormonal ou alguma combinação destes.

Qualquer pessoa pode aprender a examinar as mamas, à procura de qualquer caroço/nódulo ou sinal incomum. Os nódulos cancerígenos geralmente são duros, indolores, irregulares e imóveis sob a pele. Verifique cada mama separadamente. Testes adicionais por Raio-X (chamada mamografia) ou ecografia podem determinar se um nódulo provavelmente é cancro, mas será necessária uma biópsia para ter a certeza.

uma mulher realizando um autoexame da mama.
Um exame completo da mama leva vários minutos. A mulher ou o profissional de saúde firme e sistematicamente apalpa cada ponto antes de passar para um novo ponto. Procure por algo incomum, como um caroço, espessamento ou mudança de cor. Faça isso em toda a mama e na axila.


Não há muito que fazer para prevenir o cancro da mama, embora comer bem, evitar fumar e beber álcool, e fazer exercícios regulares, ajude. A amamentação também oferece alguma protecção.

Cancro do estômago

woman touching the shoulder of man with stomach pain.
Sinais
  • Dor de barriga
  • Perda de peso
  • Dificuldade ao engolir
  • Sentir uma massa na barriga
  • Fezes pretas (pode parecer alcatrão)


Uma causa comum de cancro do estômago é a infecção por H. pylori, a bactéria que causa a maioria das úlceras. Enquanto o H. pylori aumenta o risco de cancro do estômago, outras coisas também tornam este cancro mais provável, como fumar cigarros, comer muitas carnes processadas, carnes vermelhas, alimentos fritos e conservados em sal.

A maioria dos cancros do estômago é difícil de tratar com sucesso. É muito melhor prevenir este cancro. Comer frutas, vegetais crus e grãos integrais todos os dias dá alguma protecção.

Cancro da próstata

Os homens têm próstata, uma glândula localizada logo abaixo da bexiga, que aumenta de tamanho à medida que envelhecem. O cancro da próstata geralmente cresce lentamente e pode levar anos para crescer o suficiente para causar problemas. Tal como acontece com outros tipos de cancro, o tratamento do cancro da próstata funciona melhor quando o mesmo é diagnosticado precocemente. Até mesmo o cancro da próstata que se espalhou pode ser tratado com sucesso. O cancro da próstata é comum em homens com mais de 65 anos, e muitos homens mais velhos que têm cancro da próstata vivem com ele até morrerem, geralmente por outras causas.

Sinais

O cancro da próstata pode não mostrar sinais no seu estadio inicial. A maioria dos homens não sabe que o tem até ser detectado durante um exame médico.

O sinal mais comum é o problema ao urinar, mas isso também pode ser causado por uma próstata aumentada não-cancerígena, comum em homens mais velhos.

Razão para ver um profissional de saúde:

  • Dificuldade em iniciar ou interromper o fluxo de urina
  • Necessidade de urinar com frequência, especialmente à noite
  • Dor ou ardor durante a micção
  • Sangue na urina ou sêmen
  • Dor intensa e frequente na parte inferior das costas, barriga, quadril ou pélvis


Um exame de sangue chamado antígeno específico da próstata (PSA) pode ajudar a detectar o cancro da próstata. Um PSA elevado pode significar cancro da próstata, mas também pode significar que você tem uma próstata aumentada ou infectada (veja Dificuldades ao urinar, em desenvolvimento).

Tratamento

How prostate cancer is treated Como o cancro da próstata é tratado (cirurgia, radioterapia, quimioterapia, terapia hormonal ou uma combinação destes) dependerá do tipo de células cancerígenas, se elas se espalharam, sua idade e saúde geral e as suas preferências. Alguns cancros da próstata evoluem tão lentamente que o único tratamento é fazer um check-up regular.

Cancro da pele

Os cancros da pele são comuns entre pessoas de pele clara, e raros entre as pessoas de pele escura, mas podem aparecer em qualquer pessoa. Eles aparecem com mais frequência em adultos que tiveram queimaduras graves quando eram crianças.

Existem dois tipos principais: O cancro da pele não melanoma, o tipo mais comum, é facilmente tratado porque cresce lentamente e pode ser removido por um profissional de saúde. O outro tipo principal, chamado melanoma, é o tipo mais perigoso de cancro da pele.
um homem com feridas na face e no nariz.

Um cancro não-melanoma frequentemente se parece com um inchaço vermelho ou rosa, dolorido ou crosta no rosto ou em qualquer outro local da pele. Estes geralmente devem ser removidos se continuarem a crescer porque se podem espalhar dentro do corpo.

O melanoma é um cancro da pele que cresce rapidamente e é perigoso e deve ser tratado imediatamente. Primeiro, a área afectada é removida. Outro tratamento pode ser necessário se o cancro se espalhou para outras partes do corpo.

Sinais de melanoma

Um melanoma parece diferente de um sinal numa ou mais destas maneiras:


NWTND Can Page 18-2.png Tem uma forma irregular e incomum que não é um círculo ou oval l
NWTND Can Page 18-3.png Tem bordos dentados ou irregulares
NWTND Can Page 18-4.png Tem cores diferentes no mesmo sinal
NWTND Can Page 18-5.png Alterações no tamanho, cor ou forma
um homem pondo um chapéu num menino pequeno.
Prevenção

Proteja as crianças, especialmente as de pele clara, com chapéus, roupas que cubram os braços e as pernas e protector solar.

Se você trabalha ao ar livre, cubra a sua pele e use um chapéu.

Sarcoma de Kaposi

Um cancro da pele que afecta algumas pessoas infectadas pelo HIV, o sarcoma de Kaposi mostra manchas vermelhas, castanhas ou roxas dentro da boca ou em qualquer parte do corpo.

Sinais

Manchas indolores dentro da boca, ou em qualquer outro lugar do corpo. As manchas raramente se infectam ou doem, a menos que surja uma ferida.

Tratamento

Vá a um profissional de saúde ou médico com experiência em HIV. Os medicamentos antirretrovirais (ARV) tendem a prevenir esse tipo de cancro em pessoas com HIV, e iniciar o tratamento com ARV pode evitar que ele piore. Às vezes, o sarcoma de Kaposi é tratado com quimioterapia ou com outros medicamentos.


Esta página foi actualizada: 06 ago. 2020