Hesperian Health Guides

Prevenindo a fome

Dentro da sua comunidade, você pode preparar-se para as emergências alimentares cultivando alimentos, armazenando-os bem, e partilhando com os vizinhos.

Cultivo de alimentos

Onde quer que viva, você pode cultivar alimentos. Cultivar os seus alimentos é uma das melhores maneiras de se alimentar de forma saudável, e dá-lhe algo para comer quando não há dinheiro para comprar comida.

As pessoas plantando vegetais num jardim num terreno baldio entre alguns edifícios de apartamentos

Os moradores das cidades cultivam alimentos em telhados, terrenos baldios, vasos ou sacos com terra numa janela. Algumas plantas num pote não fornecem muita comida, mas é uma maneira de começar. As crianças gostam de ajudar com as coisas que crescem, e cuidar das plantas é uma habilidade valiosa que deve ser ensinada a elas. Junte-se aos seus vizinhos para fazer um jardim num terreno baldio e você pode plantar ainda mais.

Se você já tem uma machamba, mas cultiva para vender, por exemplo algodão, café, arroz, ou coca, plante também alguns legumes para sua família ou aldeia. Ou construa um pequeno lago com peixes. Se o seu cultivo comercial falhar ou o preço cair, você ainda vai ter algo para comer.

Para mais ideias sobre como cultivar os seus próprios alimentos, consulte Guia comunitário de saúde ambiental, versão portuguesa do livro da Hesperian editado pela TALC, Capítulo 12 a 15.

Melhore a sua produtividade

Uma vaca comendo capim e produzindo adubo
  • Melhore o solo com adubos de origem animal. Fertilizantes comerciais ou químicos aumentam o rendimento durante alguns anos, em seguida, deixam o solo enfraquecido e as fontes de água contaminadas.

Os fertilizantes naturais, como fezes de animais ou adubo composto melhoram a qualidade do solo a longo prazo. Para uma pequena horta, guarde os restos de alimentos numa lixeira onde podem apodrecer e voltar para o solo, e use esse adubo para enriquecer o solo.

  • Use a água com cuidado. Tente recolher a água da chuva. Se conseguir obter um tubo longo ou mangueira, faça uma linha de pequenos orifícios para irrigar cada planta em vez de desperdiçar água em grandes valas de irrigação.

Uma mulher pondo água num balde pendurado, com dois tubos que vão do balde até uma horta

Pequenos furos nos tubos ou mangueiras para permitir que a água escorra para o chão lentamente.
NWTND Nut Page 31-1.png
Este ano milho. Próximo ano feijão.


  • Faça rotação de culturas para prevenir doenças e fortalecer o solo.
  • Cultive ervilhas ou feijão. Eles são alimentos nutritivos e fortalecem o solo à medida que crescem.
Um homem usando um pulverizador acoplado a um tanque nas costas para pulverizar as machambas
Se tem um pulverizador, limpe-o bem, em seguida, coloque dentro um pouco de água e óleo vegetal. Agite antes de pulverizar para matar pulgões e outras pragas.
  • Evite pesticidas. Os pesticidas são veneno. Eles matam as pragas e ajudam as culturas por um período curto, mas também prejudicam as pessoas que os manipulam e usam. Os pássaros e pequenos animais que se alimentam de insectos também podem ficar doentes. Sem esses predadores, mais pragas sobrevivem e danificam as colheitas. Com o tempo, os insectos ficam mais fortes e sobrevivem até mesmo a venenos fortes. Estes produtos químicos caros são perigosos e devem ser evitados sempre que possível.

A pulverização de plantas com um pouco de sabão pode manter as pragas controladas sem venenos fortes. O óleo vegetal também mata muitos insectos.

Guarde os alimentos que cultiva

O cultivo de alimentos não é bom se o alimento apodrece ou é comido por pragas. Secagem, fazer pickles, salga e fermentação são formas tradicionais para manter a os alimentos seguros para comer depois da temporada de cultivo terminar.

Para os grãos e feijões

  • Seque e armazene os grãos logo após a colheita. (Deixar os grãos no campo leva a perda de uma grande quantidade)
  • Armazene num lugar seco, longe do solo, e em recipientes que podem ser fechados hermeticamente. Para uma grande colheita você pode construir um celeiro erguido, como este. Pequenas quantidades podem ser seladas em barris ou outros recipientes fechados.
Um celeiro de madeira levantada, com mangas em cada perna
Mangas
Limpe a área e retire todas as plantas. Os ratos são atraídos por restos de alimentos, e áreas escuras protegidas onde podem por ninho. Remova-os da área.



Mantenha os recipientes de armazenamento bem fechados e repare rapidamente qualquer buraco.

Os ratos podem passar através de furos muito pequenos.
Mantenha os recipientes de armazenamento de grãos a um nível mais alto que o solo.



Os roedores pode subir. Limpe e mantenha afastada qualquer coisa que toque no recipiente de armazenamento e ponha mangas a volta das suas pernas.

Ponha cães ou gatos para manter os roedores a distância.

  • Em certos locais da Índia, os agricultores misturam folhas de neem (nim ou amargosa) com os grãos armazenados. Neem é um pesticida natural e seguro e mantém os insectos afastados. Nos Camarões, os agricultores embalam firmemente feijões, por exemplo feijão de corda, nhemba, secas e cinzas de madeira em vasos de barro para armazenamento. As cinzas mantém longe os gorgulhos. Em outros lugares, feijões secos são armazenados em óleo. Estas são formas seguras e excelentes para armazenar grãos e feijões e proteger os alimentos para uso posterior.
  • Os grãos com fungos devem ser destruídos. Os fungos contém toxinas.
Peixe numa corda pendurada em uma árvore, secando sob uma fogueira

Secagem

Peixe seco, frutas, carne e vegetais podem fornecer vitaminas, minerais e proteínas nos momentos em que você não pode cultivar ou produzir alimentos. Seque os alimentos mais rapidamente e com menos poeira, mantendo-os longe do chão. Uma cesta rasa com buracos pequenos, ou uma rede permite que o ar passe por baixo, e seque o alimento mais rapidamente. Cubra os alimentos a secar com um pano fino para evitar os insectos e o pó.

Os vegetais devem normalmente ser levemente cozidos antes da secagem. Seque os legumes e as frutas até que estejam quase secos, mas ainda contenham umidade suficiente para serem saborosos. A carne e o peixe podem secar sob o fogo.

Mantenha os alimentos secos em lugar escuro e fresco, em sacos ou recipientes fechados.

Compartilhe com os seus vizinhos

Uma família recebendo comida num banco de alimentos, enquanto outros comem numa mesa

Algumas comunidades têm a tradição de partilhar os alimentos com aqueles necessitam. Por exemplo, quando as famílias vão para os serviços religiosos, eles trazem um pouco de grãos para compartilhar. Pequenas quantidades de grãos de muitas famílias se juntam numa grande quantidade de grãos armazenados. Depois, se o rendimento das culturas de algumas famílias baixam, o grão armazenado é oferecido a essas famílias em dificuldades. Alguns grupos criaram "bancos formais de arroz", onde as famílias deixam arroz durante a época da colheita para emprestar às pessoas necessitadas durante a estação seca.

Soluções locais para a fome na comunidade

A cidade de Belo Horizonte no Brasil está trabalhando para eliminar a fome e a pobreza dos seus cidadãos e produtores de alimentos que vivem nas proximidades. Na década de 1990, o governo local declarou que os alimentos são um direito do ser humano, e iniciou programas novos para dar suporte a esse direito. Por exemplo:

  • Fornecer refeições saudáveis as crianças nas escolas.
  • As pessoas pobres recebem uma cesta básica de alimentos nutritivos todas as semanas.
  • Três grandes restaurantes do bairro servem refeições nutritivas simples, de baixo custo. Os clientes habituais podem sugerir melhorias nesses restaurantes.
Pessoas comprando e vendendo frutas e legumes num mercado muito movimentado
  • A cidade compra frutas e legumes para os seus programas alimentares directamente dos pequenos agricultores que vivem perto da cidade. Também se estabeleceram mercados dos agricultores, onde estes podem vender os seus produtos a preços justos. Isso mantém os pequenos agricultores nas suas terras, para que eles não tenham que se deslocar para a cidade. Isso também garante um fornecimento adequado de frutas e legumes frescos para as pessoas que vivem na cidade.
  • Os preços dos alimentos básicos em dezenas de mercados são rastreados. Em seguida, esses preços são afixados em locais públicos, na televisão e na rádio para que as pessoas saibam onde obter o melhor preço, e os mercados privados são obrigados a manter preços justos.

Estes programas melhoraram muito e de forma rápida a saúde do povo de Belo Horizonte. O número de mortes de crianças reduziu para metade desde que esses programas começaram.



Esta página foi actualizada: 28 jul. 2021