Hesperian Health Guides

Problemas sociais

Neste capítulo:

A exploração mineira afecta directamente a saúde das pessoas, quando elas trabalham em condições perigosas e estão expostas a produtos químicos tóxicos. Ela também afecta a saúde das pessoas através dos problemas sociais que cria. As vilas e acampamentos mineiros desenvolvem-se rapidamente, com pouco planeamento ou cuidado. Isto causa habitualmente muitos problemas. Os homens vêm à procura de trabalho nas minas, as mulheres que precisam de rendimento tornam-se trabalhadoras do sexo, e esta combinação pode levar à transmissão rápida do HIV/SIDA e de outras infecções transmitidas sexualmente. A riqueza súbita e a pobreza súbita que a exploração mineira traz, são muitas vezes acompanhadas pelo aumento da violência contra as mulheres e as crianças, o abuso dos trabalhadores pelos donos das minas e por lutas para ter o controlo dos recursos. Muitas pessoas são forçadas a deixar a comunidade por causa da violência ou porque se torna impossível para elas continuar a viver como viviam antes de a mina ter aberto.

A woman speaks.
As mulheres suportam uma parte enorme dos custos para as pessoas e para o meio ambiente causados pelos grandes projectos de exploração mineira.

A exploração mineira cria um modo de vida para milhões de pessoas, muitas vezes em áreas onde há poucas outras fontes de rendimento. Mas as riquezas do solo nem sempre resultam em riqueza para os mineiros. A natureza da indústria mineira consiste em explorar, abusivamente, cada pedaço de terra e cada trabalhador disponível, sacrificando a saúde, os direitos humanos e o meio ambiente das comunidades mineiras.

A man speaks.
O sindicato protege a minha saúde, o meu emprego e os meus benefícios. Quando a empresa é assim tão grande e poderosa, os trabalhadores precisam de se organizar.

Aderir ou formar uma organização de trabalhadores provou ser a estratégia mais eficaz para os mineiros ganharem a vida, de forma decente, e para defenderem os seus direitos humanos e ambientais. Os sindicatos de mineiros, junto com seus aliados, têm forçado as empresas e os governos a fazerem e a seguirem normas que protegem a saúde e a segurança dos mineiros. No entanto, muitas vezes os sindicatos dão mais importância à necessidade de empregos e rendimentos a curto prazo que os mineiros têm do que à prevenção dos problemas de saúde a longo prazo, causados pela exploração mineira e pelo uso de minério (por exemplo, a poluição causada pela queima do carvão para obter energia).

Quando uma operação mineira é demasiado perigosa, não saudável ou poluente, ela deve ser encerrada. Mas os trabalhadores da mina não devem ser abandonados ao desemprego e à pobreza. As comunidades devem exigir que planos para o seu bem-estar e modo de vida sejam incluídos na planificação e nos custos de encerramento da mina.

Proteger as crianças

4 children in a classroom.

As crianças, muitas vezes, trabalham nas minas para ajudarem as suas famílias. Trabalhar longas horas em condições difíceis é perigoso para elas, cria graves problemas nos seus corpos em crescimento e nos seus ossos macios, e não lhes dá tempo de irem à escola. O trabalho infantil é ilegal segundo a lei internacional. Se as empresas mineiras pagassem bons salários e dessem benefícios aos trabalhadores adultos, as crianças poderiam ir a escola, em vez de trabalharem.

Escola e nutrição para as crianças mineiras

Quando os homens e mulheres vão trabalhar nas pedreiras na Índia, os seus filhos vão muitas vezes trabalhar com eles. Isto sempre foi assim. Sem educação e organização para a mudança, isto será sempre assim.


Em Pune, na Índia, as crianças que trabalham na pedreira são mal nutridas e estão cobertas da cabeça aos pés com poeira das rochas. Alguns trabalhadores sociais começaram um grupo voluntário chamado Santulan, para trabalhar com estas crianças. “As crianças têm direitos básicos à educação, à boa saúde e à infância”, dizem eles. Para promover estes direitos, eles iniciaram escolas nas pedreiras.

EHB Ch21 Page 475-2.png

Primeiro, o grupo Santulan formou novos professores. Algumas trabalhadoras da pedreira aprenderam canções e outros métodos de ensino e receberam lápis, papel, quadros pretos e livros. Alguns donos das pedreiras ofereceram espaços para o grupo dar as aulas. Noutras pedreiras, os próprios trabalhadores organizaram as salas de aulas.


Assim que as crianças começaram a ir à escola, os professores aperceberam-se de que elas não iam aprender, se não tivessem comida para comer durante o dia. O grupo Santulan começou a dar arroz, lentilhas e ovos cozidos. Isto deu aos pais mais uma razão para deixarem os seus filhos ir à escola. Não só as crianças aprendiam, como vinham para casa com a barriga cheia.


Alguns anos depois de as escolas nas pedreiras terem aberto, mais de 3000 crianças participavam nas aulas. Muitas são as primeiras nas suas famílias a saber ler e escrever. As crianças cantam canções, aprendem história e, acima de tudo, aprendem que têm direito à educação e direito à infância.



Esta página foi actualizada: 16 abr. 2024