Hesperian Health Guides

Evitar e controlar as substâncias tóxicas

Prevenir a exposição à poluição tóxica começa com o princípio da precaução, que significa pensar no perigo que uma acção ou um produto podem causar antes os fazer ou usar. Embora possamos tomar decisões pessoais e comunitárias para evitar causar tantos danos quanto possível, também precisamos de exigir que os negociantes e os nossos governos ponham a saúde a longo prazo, de todas as pessoas, ricas e pobres, e do meio ambiente, antes do lucro das empresas e do lucro pessoal.

Muitas das coisas que fazemos todos os dias afectam a forma como nós e os outros estamos mais ou menos expostos às substâncias tóxicas. Há algumas exposições diárias que não conseguimos controlar através de decisões pessoais. Mas há algumas exposições que podemos limitar, fazendo escolhas que ajudam a mantermo-nos, às nossas famílias e às nossas comunidades, mais seguros e saudáveis. As escolhas pessoais levam muitas vezes à acção comunitária, uma vez que rapidamente podemos ver como é impossível qualquer pessoa controlar sozinha os danos que enfrentamos, causados pelos produtos tóxicos.

Para parar os danos causados pelas substâncias tóxicas, precisamos do seguinte:

Men and women in a classroom watch and listen as a woman draws on a poster.

Educarmo-nos a nós mesmos. Aprender e ensinar os outros sobre o que são os produtos tóxicos e como é que as substâncias tóxicas podem causar danos. Leia este livro, fale com as pessoas e aprenda com as organizações que disponibilizam informação sobre substâncias tóxicas. Escolas, centros de saúde, locais de trabalho, centros comunitários e as nossas casas podem ser lugares para educar a comunidade sobre os produtos tóxicos e a saúde. (Para uma actividade de discussão comunitária sobre substâncias tóxicas, ver “Jogo das cobras e escadas”.)

Encontrar as origens da exposição tóxica nas nossas casas, no abastecimento da água, nos bairros, nos locais de trabalho, nas escolas e na região. Para avaliar os impactos da poluição tóxica na nossa comunidade, faça uma caminhada pelo lixo, faça uma avaliação de saúde, ou crie um grupo para monitorar a poluição.

Evitar quaisquer substâncias tóxicas. Fique longe das fontes conhecidas de substâncias tóxicas. Reduza o uso de produtos tóxicos descobrindo alternativas mais seguras para produtos de limpeza e usando formas não tóxicas de controlo de pragas (ver "Gerir as pragas e as doenças das plantas" e "Controlar pragas"). Controle os produtos tóxicos planeando um programa comunitário de resíduos sólidos, protegendo os pontos de água, e trabalhando para deslocar os negócios ou actividades tóxicos para longe dos lugares onde se produzem alimentos e zonas públicas, como por exemplo parques. Garanta que os materiais tóxicos não são guardados, usados ou libertados dentro ou perto do lugar onde vivem as pessoas. Trabalhe para garantir que sobretudo as crianças, os velhos, os doentes e as mulheres grávidas ou a amamentar não estão expostos a substâncias tóxicas.

Não podemos escolher o ar que respiramos, a água que bebemos ou os materiais com que o nosso patrão nos faz trabalhar, e muitas vezes não podemos saber a que é que estamos expostos nos alimentos que comemos ou nos produtos que usamos. Por isso, precisamos de organizar os negócios e os governos para que reduzam o uso de substâncias tóxicas e a ameaça de poluição tóxica. Muitas pessoas a trabalharem juntas, partilhando a crença de que alguma coisa é demasiado perigosa, têm o poder de fazer a mudança.

Podemos forçar as empresas a limparem o que poluíram

3 workers speak as they walk by a building.
Os químicos com que trabalhamos estão a fazer- nos doentes.
A empresa podia usar menos químicos tóxicos e dar-nos melhor protecção.
Mas a empresa não admite que estes químicos são um problema. Cabe- nos a nós fazermos a empresa levar a nossa segurança a sério.

A responsabilidade da poluição tóxica é sobretudo das indústrias poluidoras, como por exemplo as fábricas de produção de electricidade, as manufacturas, as indústrias de extracção de petróleo e minério, enquanto o fardo de viver com a poluição tóxica e limpá-la recai habitualmente sobre as pessoas que vivem perto do problema. Algumas comunidades têm sido capazes de mudar esta responsabilidade e mostrar que se uma indústria ou empresa específica cria um problema deve resolvê-lo e comprometer-se com práticas seguras. (Para conhecer histórias de comunidades que forçaram as empresas a limpar o que poluíram, ver “Organizar-se contra o envenenamento por radiação,” "Peguem no vosso lixo tóxico e vão-se embora,” "Acção comunitária salva um rio,” e “Mulheres protestam contra exploração petrolífera”).

Pressionar os governos para ter melhores padrões de segurança

O governo é responsável por proteger as pessoas em relação à poluição. Mas as empresas poderosas e as instituições financeiras internacionais pressionam os governos para que se libertem ou ignorem os regulamentos sobre o uso de substâncias tóxicas. É preciso muita pressão comunitária para que os governos criem e façam cumprir leis que protegem as pessoas, sobretudo nos países que lutam por atrair empresas que invistam neles. Mas as campanhas comunitárias podem forçar a mudança das leis (ver “Filipinas proíbem a incineração e endurecem as leis dos resíduos,”, "Peguem no vosso lixo tóxico e vão-se embora,” "Um jogo pela saúde,” “Exploração mineira e doença entre a tribo Dineh,” e “Tratamento para mineiros com silicose”) também usar as leis para lutar pelos direitos ambientais.

Pressionar para que haja mudanças na forma como os produtos são feitos

Muitas indústrias desenvolveram formas de substituir materiais e métodos de produção tóxicos por outros que são mais sustentáveis e que causam menos danos à saúde das pessoas e ao meio ambiente. Ver mais sobre métodos de produção limpos e formas de influenciar as empresas a adoptarem-nos.

Mudar os padrões de consumo

No fundo, há demasiado consumo pelos ricos. Uma grande parte da solução passa por diminuir o consumo e a produção de resíduos, usando o suficiente mas não demasiado.



Esta página foi actualizada: 01 fev. 2023